Programa Integração I e II

"CONSTRUINDO O CIDADÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO"

 

          A proposta do Programa IntegrAção contribue para que se estabeleça uma educação ao longo de toda a vida, preconizada pelo relatório para a UNESCO da comissão internacional sobre educação para o século XXI: “Educação, um tesouro a descobrir” e a Lei de Diretrizes e Bases, ambos de 1996, que apontam como elemento central, a construção da cidadania em função dos processos sociais que se modificam e uma educação que deve, como descreve o relatório, “tirar proveito de todas as oportunidades oferecidas pela sociedade”, propondo os quatro pilares para a educação no século XXI – Aprender a Conhecer, a Fazer, a Conviver e a Ser, competências fundamentais para uma autonomia responsável, que vêm ao encontro dos propósitos do CAMP Guarujá.

 

          Considerando a realidade social das famílias e a vulnerabilidade a qual estão expostos os adolescentes, percebendo-se um perfil paradoxalmente inverso à cidadania e às exigências do Mundo do Trabalho, sabendo-se que nessas condições, o exercício do direito à profissionalização é dificultado e que o adolescente em vulnerabilidade perde espaço para aqueles que, em geral, tiveram melhores oportunidades, o Programa foi desenvolvido e executado em 2019, nos termos da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), orientações do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA) para o reordenamento dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, demais deliberações do conselho de Assistência Social e orientações do Ministério da Economia – Secretaria de Trabalho (ME), objetivando promover formação integral, capacitação e qualificação para o mundo do trabalho e acreditando que assim os adolescentes terão oportunidades igualitárias.

 

          As atividades propuseram a discussão de assuntos variados, como deveres, a construção do cidadão protagonista e ético, cuidados preventivos de saúde física, mental e de qualidade de vida de modo geral e a construção da personalidade, a adolescência e assuntos que a permeiam. Treinou-se habilidades interpessoais, de resolução de problemas e resiliência e estimula-se a autoestima, o desejo de aprender continuamente, transformar ou adaptar o conhecimento, criando e testando novas ideias e fazeres.

 

          Em paralelo, contextualizou-se o Mundo do Trabalho, suas demandas, legislações pertinentes e desenvolveu-se competências para Rotinas Administrativas nas funções de Arquivista, Almoxarife, Auxiliar Administrativo e Office-boy/Office-Girl, alcançando de forma articulada e progressiva, um perfil compatível com as exigências do Mundo do trabalho e tornando exequíveis a construção de novas oportunidades, ideais e o seu desenvolvimento integral, empoderando-os para a superação de suas vulnerabilidades.

 

          Os adolescentes foram incentivados para o compartilhamento de saberes e habilidades adquiridas, o que foi reforçado pelos Projetos Complementares, que também acolheram e valorizaram a família e a comunidade, informaram direitos, resgatando suas potencialidades e auxiliando na reconstrução de suas histórias, facilitando a relação intergeracional, familiar e social.

 

          O CAMP Guarujá foi cauteloso ao pensar na composição das Turmas para 2019, apesar de uma pequena recuperação no número de vagas por parte do poder público ainda em 2018, agimos com o “pé no chão” e com muita prudência em nossos planejamentos, inicialmente foi aberto o processo para compor somente a 1ª Turma de 2019, que contemplou 210 adolescentes e família. No início do ano, fizemos uma reanálise do cenário de vagas para 2019 e foi aberto um novo processo para compor a 2ª Turma de 2019, desta forma, conseguimos oportunizar mais 202 vagas, contudo, tivemos uma desistência de 12 adolescentes e efetivamente 400 adolescentes e família matricularam-se e iniciaram seus estudos ao longo do ano.

 

          Em continuidade, durante o ano também atendemos os 108 adolescentes do Programa IntegrAção de 2018 – Educação Continuada – Etapa II, que aguardavam a oportunidade para a integração ao Mundo do Trabalho, nesta etapa foram reforçados os conhecimentos, aperfeiçoando habilidades e competências.

 

          Todos os adolescentes considerados aptos para o ingresso na segunda etapa do Serviço, foram convidados a ingressar no Programa Aprendiz Integral – Socioaprendizagem Profissional, com registro em carteira e demais direitos regidos pela Lei 10.097/2000. A migração para esse Programa mostra que além de apresentar competências básicas e específicas, o adolescente já domina atividades práticas, necessárias à sua integração ao Mundo do Trabalho.