O que é o coronavirus ? 

          Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

 

          Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

 

          A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Quais são os sintomas?

          Os sintomas da COVID-19 podem variar de um simples resfriado até uma pneumonia severa. Sendo os sintomas mais comuns:

 

  • Tosse
  • Febre 
  • Coriza 
  • Dor de garganta
  • Dificuldade para respirar
  • Falta de Olfato e/ou paladar

Como é transmitido?

          A transmissão acontece de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo por meio de: 


• Toque do aperto de mão;
• Gotículas de saliva;
• Espirro;
• Tosse;
• Catarro;
• Objetos ou superfícies contaminadas, como celulares, mesas, maçanetas, brinquedos, teclados de computador etc.

Ações e providências durante a Pandemia

 

 

            A Pandemia vem nos podando de certa forma, a liberdade de ir e vir, o direito à profissionalização dos adolescentes e, entre outros, o direito ao convívio social – tudo para que prevaleça o direito à Saúde!
Frente ao impacto da pandemia que se instalou no país, assim como em todo o mundo, buscamos informações seguras junto às autoridades locais, Ministério da Saúde, Organização Mundial da saúde, entidades congêneres por meio da Federação Brasileira de Associações Socioeducativas de Adolescentes – FEBRAEDA, Ministério da Economia, Ministério Público do Trabalho, Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente - CONANDA, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselho Municipal de Assistência Social, Secretaria de Educação e médico do trabalho do CAMP Guarujá – Clínica Montenegro.

 

            O CAMP GUARUJÁ, por ser uma associação de direito privado, de fins não econômico-lucrativos, entidade de assistência social e utilidade pública nas esferas Municipal, Estadual e Federal, constitui serviço essencial e não paralisou suas atividades, mas na condição de proteção básica aos usuários, de imediato tomou a providência de afastar todos os aprendizes menores de dezoito anos, fazendo por orientação do Ministério Público, a interrupção de contrato, garantindo a todos - inclusive a Aprendiz lotada na entidade, contando com a parceria e colaboração das empresas, todos continuaram com sua remuneração mensal e direitos.

 

            Posto que o CAMP Guarujá desenvolve o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – Formação Humano-Profissional, em que a Socioaprendizagem é um de seus muitos braços, as atividades presenciais com as turmas do Programa Integração Etapas I e II e dos Projetos Complementares foram também interrompidas.

 

            A vacinação contra a gripe e o H1N1, foi uma grande aliada e contou com a adesão de todos os colaboradores, bem como o uso de máscaras, que foram distribuídas. Foram realizadas reuniões para discussão dos fatos, informação sobre a COVID-19, seus sintomas e meios de transmissão para que todos pudessem se engajar nos cuidados necessários e que o trabalho fosse positivo e estivéssemos preparados para desenvolver nossas atividades e orientar os usuários.
Paralelamente, também foram intensos os estudos e adaptações às diversas orientações, Notas explicativas, portarias e Medidas Provisórias que nasciam e que ainda nascem todos os dias. Nesse estudo a fiscalização do Trabalho e os técnicos da FEBRAEDA foram fundamentais para nortear nossas ações e ter a certeza que embora em primeira análise as soluções possíveis não eram favoráveis aos nossos parceiros de Socioaprendizagem, eram juridicamente seguras para todos, além de garantir os direitos dos adolescentes.

 

            A maior preocupação inicial era de conseguir, mesmo com nossas limitações, apoiar aos usuários, que já vinham castigados pelas enchentes e desmoronamentos ocorridos nas áreas mais vulneráveis da cidade, um pouco antes, no início de março. Em contato com a Prefeitura Municipal - merenda, foram distribuídos alimentos às famílias em maior vulnerabilidade e algumas foram encaminhadas para atendimento pelo município.
Iniciamos a busca de parceiros educacionais e aquisição de produtos de tecnologia que pudessem viabilizar atividades remotas. Foi uma fase de muitas discussões, estudos, treinamentos, reformulação dos planos de atividades e muito aprendizado.

 

            Com a ajuda da tecnologia e formulários, todos responderam sobre os recursos tecnológicos que tinham à disposição, sobre quais eram os maiores desafios que a família enfrentava e as condições de saúde e de trabalho de cada um da casa, além da percepção do risco da pandemia e estado emocional.

 

            A equipe uniu seus conhecimentos, trocaram ideias entre si, aprenderam e ensinaram e com a ajuda de parceiros começaram a delinear novas formas de aplicar os projetos, atividades e reformular os Programas e planos. A pesquisa nos permitiu ajudar as famílias no cadastro para o auxílio emergencial, gerou atendimentos psicossociais e não só retomamos importantes projetos com os usuários, parceiros e a comunidade, assim como realizamos lives de orientação quanto ao NOVO CORONAVÍRUS – COVID -19, seus sintomas, formas de prevenção e também trabalhamos a geração de renda, num momento em que tantos perdiam o emprego e/ou reduziam renda e em que as relações humanas se modificavam – não só no interior das famílias, mas em toda a sociedade e trabalho, ampliando conflitos pessoais, ansiedade e medo.

 

            Parceiros educacionais proporcionaram oportunidades de cursos e palestras online direcionados à família e a todos os adolescentes e produzimos vídeos com psicoeducativos sobre as emoções, ansiedade e a forma de lidar com elas, confecção de máscaras caseiras, orientações nutricionais, projetos de leitura e focamos em que os adolescentes dos Programas Integração reforçassem o estudo em Língua Portuguesa, Matemática, Raciocínio Lógico e oportunidades de visitas culturais virtuais e incentivamos que escolhessem um curso ou palestra para seu aprimoramento, dentre os enviados.

 

            Promovemos para cada uma das turmas, reunião virtual, convidando a família para explicar a situação específica de cada turma, as implicações das medidas provisórias, suas vantagens e desvantagens e as diferenças entre os termos “interrupção de trabalho”, “suspensão de trabalho” e “redução de jornada e salário”.

 

            Criamos uma turma piloto de jovens aprendizes maiores de dezoito anos, utilizando cadastro de anos anteriores. O objetivo foi atender empresas parceiras que já começavam a sofrer fiscalização do trabalho devido a cota referente aos contratos encerrados a termo durante a pandemia. Hoje já temos uma nova turma pronta para iniciar o treinamento no Programa Integração, fruto de um edital específico. Temos clareza que embora em muitas situações os impedimentos para um adolescente gerem a abertura de vagas para os jovens maiores de dezoito anos, os adolescentes, menores de dezoito anos ainda são o nosso foco e terão prioridade.

 

            Aos poucos estamos modificando os atendimentos, ganhando experiência nas vivências remotas e adequando a entidade para ter de volta todas as atividades, embora com muitas mudanças.

 

• Desde o início foram realizadas as orientações quanto a higiene das mãos, etiqueta respiratória (cobrir tosse e espirro com lenços descartáveis, jogando fora imediatamente e higienizar as mãos em sequência), a recomendação para não tocar nariz, boca e olhos sem antes higienizar as mãos e também depois, sobre o uso correto da máscara e sua higienização e a conscientização dos colaboradores da importância dessas atitudes para o bem-estar e saúde de todos, inclusive da família no retorno para casa;
• Entrou para a rotina diária a aferição de temperatura com termômetro por aproximação, na chegada dos colaboradores e usuários. Disponível também a qualquer momento que seja solicitado;
• Todos os colaboradores tem a orientação para comunicar sintomas gripais ou outros suspeitos, cônscios de seu papel na proteção de todos;
• Em casos de afastamento o serviço social faz o acompanhamento e apoio, bem como o registro dos casos suspeitos e/ou confirmados para fins estatísticos;
• Sempre que possível os atendimentos, projetos e demais contatos são realizados por vídeo conferência, bem como as atividades teóricas dos aprendizes maiores de dezoito anos, que retornaram às atividades;
• Os atendimentos, quando necessitam ser presenciais, são agendados em horários mais espaçados e os usuários são orientados já no agendamento a comparecer de máscara, evitar trazer mais pessoas do que o necessário, evitando aglomerações e comunicar antes se não estiver bem;
• Os atendimentos presenciais agendados, após a orientação para o uso do álcool gel 70% e aferição de temperatura, são realizados em espaços abertos ou em salas bem ventiladas, com distanciamento recomendado entre as pessoas;
• Foram retirados os assentos na recepção e os usuários são orientados a guardar a distância entre si, aguardar na área externa e/ou rapidamente redirecionados para outros espaços para não haver aglomeração;
• Ainda para a recepção foram cotadas proteção acrílica, já aprovadas, aguardando instalação;
• Todos os colaboradores, que haviam tido contato com colegas infectados foram testados, contando com parceria com a Secretaria de Saúde Municipal;
• Álcool gel 70% e kits de higienização para os materiais de escritório, que também deixaram de ser compartilhados, foram colocados em todas as salas;
• A limpeza e higienização de todas as dependências foram intensificadas;
• Foi feita uma melhor distribuição de lugares nos setores para adequação do distanciamento entre todos e onde não foi possível, foram utilizadas outras salas para acomodar os colaboradores;
• As mesas estão mais livres de objetos e materiais que não sejam essenciais;
• A ventilação natural foi preferida, mantendo portas e janelas abertas, sem exclusão da manutenção periódica dos aparelhos de ar condicionado;
• Lixeiras que precisavam de contato manual foram substituídas;
• Cartazes de orientações e explicativos foram distribuídos pela entidade;
• Os sanitários estão equipados com toalhas de papel descartáveis, totens de sabonete líquido e de álcool gel 70% distribuídos. A equipe de higienização e limpeza cuida do controle da reposição;
• Além das máscaras, de acordo com a função/atividade, foram distribuídas luvas e viseiras de proteção facial (face Shields), de acordo com a função;
• O horário de expediente passou a ser das 8h às 12h, assim evitou-se o uso do refeitório, que para o café conta com o bom senso de todos os colaboradores que se dividem para o uso do ambiente, guardando a distância;
• Para o café, água ou lanche, os colaboradores tem seus próprios utensílios ou optam por descartáveis;
• Sempre que possível, prioriza-se a comunicação por meio remoto/eletrônico, tanto interna quanto com as empresas parceiras e os usuários;
• O CORONAVÍRUS – COVID -19 não desapareceu, mas nos últimos meses aprendemos mais sobre ele e como protegermos uns aos outros e a nós mesmos e é isso que permite hoje a retomada dos aprendizes, que foi autorizada pelo Ministério da Economia, porém com cuidados especiais traçados pelo Ministério Público do trabalho, baseado em orientações da
Organização Mundial da Saúde. É necessária cautela e muita responsabilidade para que não haja retrocessos.
• Com essa possibilidade, alguns aprendizes menores de dezoito anos estão voltando às atividades práticas na empresa. Por determinação legal estão sendo realizados novos calendários de curso e cronogramas, que podem alterar o contrato inicial, principalmente quanto à data de término para beneficiar a conclusão efetiva do programa;
• Para proceder às autorizações para esse retorno, cada empresa e/ou setor está sendo contatada, são verificadas as adequações realizadas pela empresa para a retomada das atividades e também é avaliada toda a situação de saúde do Aprendiz e da família. Estando tudo de acordo com as determinações legais e orientações do Ministério Público do Trabalho, Fiscalização do Trabalho e médico do trabalho, após o preparo das documentações e adendos, estão sendo realizadas reuniões com os adolescentes e responsáveis legais para orientações de cuidados para esse retorno: na higiene pessoal, nas atividades práticas, no transporte e na vida social, lembrando que esses cuidados vão possibilitar não só o retorno, mas a conclusão da Socioaprendizagem com êxito e a proteção de todos e evitar um retrocesso da cidade no controle da pandemia. O atendimento sempre que possível é realizado de forma remota ou na entidade em local aberto, guardando o distanciamento e todos os demais cuidados necessários. As orientações são também encaminhadas ao aprendiz via WhatsApp, para que possa segui-las sem contato físico com papel, prevenindo contaminação;
• As atividades teóricas estão utilizando a plataforma Microsoft Teams e caso os aprendizes tenham dificuldade, deve comunicar-se com a entidade, que disponibilizará o material por outros meios, bem como as formas de controle da atividade e correção;
• As atividades de Conclusão da Socioaprendizagem passam a ser entregues por meio eletrônico, bem como a correção e supervisão das atividades, sem prejuízo aos prazos pré-estabelecidos;
• O acompanhamento escolar também não foi paralisado, pelo contrário as unidades escolares tem buscado apoio da entidade para promover a adesão dos adolescentes às atividades remotas e evitar a evasão;
• O acompanhamento social é realizado preferencialmente por meios remotos, em parceria com os conselhos tutelares, CRAS, CREAS, CAPS, Promotoria da vara da infância e da juventude, CMDCA de Guarujá e de Santos e outros parceiros. Quando necessário é realizado presencialmente guardando o distanciamento e os cuidados indicados;
• Serão priorizadas as visitas virtuais de acompanhamento da Socioaprendizagem prática enquanto perdurar o estado de calamidade pública. Em casos especiais, todos os cuidados serão tomados pelos colaboradores e solicitados também à empresa parceira;
• Em preparo para o retorno das atividades coletivas, que ainda não estão autorizadas, foi feito estudo para instalação de pias externas para melhor higienização das mãos na chegada, antes e após o lanche ou a qualquer tempo, facilitando o fluxo nos sanitários, que só será permitida a entrada no limite disponível de cabines. O projeto já foi idealizado, está em fase de execução;
• Outras medidas podem ser adotadas de acordo com novas orientações para esse retorno, além da higienização, o distanciamento entre os adolescentes nas salas de atividades, com a redução do número de ocupação/capacidade de cada ambiente;
• Estamos nos preparando e para retorno à jornada normal de trabalho, os horários de refeições serão readequados para atender a todos com distanciamento, adequando as instalações e serviço e antes do retorno haverá um treinamento específico com os colaboradores sobre novas condutas a serem adotadas para que tudo dê certo!

 

 

Faça a sua parte, cumpra todas as orientações, Cuide de você, Cuide de todos